sábado, 2 de março de 2013

Maratona Sevilha

Maratona...prova única, por todo o seu carisma e misticismo ela torna-se em algo que todos os amantes da corrida tentam alcançar.
Para um participante numa maratona o formigueiro começa no momento da inscrição e vai aumentado com o aproximar do dia, todos os pensamentos durante os treinos vão dar ao dia da Maratona fazem filmes da passagem aos 10 km a meia maratona aos 30 km e aos 37 km, altura em que só já só faltam 5 km e a maratona esta praticamente feita e a distancia vencida, a maratona de Sevilha para 7 amigos não deve ter sido diferente do filme que apresentamos no inicio deste texto.
  Sábado  6h30' e com uma pontualidade nada portuguesa os amigos deram inicio a esta aventura, tudo tinha sido preparado,carrinha alugada,hotel marcado e só faltava mesmo vencer a distancia e procurar que não surgissem surpresas e com muita alegria que em muito disfarçava o nervosismo dos estreantes mas que não conseguia esconder o mesmo dos veteranos os km foram sendo vencidos ora em silencio ora no meio de muitas piadas e com o silencio de um radio que teimava em não se fazer ouvir para que fosse possível todos ouvirem as aventuras dos últimos treinos de preparação para a maratona de Sevilha que no seu menu incluía um treino de 1h realizado no corredor de uma casa e com o pormenor da porta aberta  da despensa para que a curva fosse mais fácil de fazer,treinos longos realizados as 5h da manha de domingo e muito mais que agora não nos lembramos.
A chegada a Sevilha foi tranquila e alevantar dos dorsais normal e sem qualquer tipo de stress, o almoço do agrado de todos e finalmente a descoberta do Hotel e se não fosse o já famoso GPS tudo teria sido mais difiçil.
Mas a alegria e a boa disposição ia vencendo tudo, mas havia uma certeza a organização da Maratona de Sevilha não podia ser comparada com a de Lisboa, a feira era uma boa mostra do que iria ser a maratona, tudo estava organizado para que os atletas não se sentissem perdidos num espaço fechado, havia dezenas de voluntários que nos podiam ajudar onde alevantar os dorsais onde receber os sacos e contrariando uma ideia muito portuguesa de que os Espanhóis não tentam  perceber o Português todas as nossas perguntas  e duvidas foram sendo respondidas num esforço de ambos para que nos fossemos entendendo.
O Jantar foi um juntar de manjares e havia um alimento comum a todos,massas, de diferentes cores e gostos acompanhadas de carne ou peixe e ia-se vendo a tentativa de alguns se desfazer da quantidade exagerada das mesmas mas no fim e na hora de arrumar os taparueres os havia ainda com massa para o pequeno almoço do grande dia.
O despertar foi antes do sol nascer e quando a cidade ainda dormia, de uma forma ordeira as portas dos quartos foram-se abrindo e os bons dias trocadas , malas á porta e esperar que o motorista de serviço trouxesse a carrinha e rapidamente estávamos nas ruas de uma cidade desconhecida e em silencio e que a policia já tinha fechado ruas  só para que a nossa chegada ao estádio fosse mais difiçil, dizem as más línguas.
A temperatura do ar era de 2 graus  o gelo mostrava-se nos jardins em redor do estádio mas os nervos diminuíam ainda mais a temperatura nem mesmo os primeiros raios de sol aqueceram os mais nervosos nem mesmo o caminhar colectivo a procura da partida, nem as piadas de momento, os pulos e o aquecer das mãos com o bafo no nosso interior a muito em stress pelo desconhecido que se aproximava, disfarçavam os nossos medos e incertezas de conseguir o que os sonhos de cada um tinham idealizado.
A Partida e a prova foram a aventura que só cada um pode contar.
O final foi de muita alegria e os abraços entre os diversos elementos da equipa demonstravam aos espectadores mais afastados que todos tinham conseguido alcançar os seus sonhos e não havia dores de pernas, costas ou de outra coisa qualquer que afasta-se a alegria , para que tudo fosse excepcional só faltava chegar a casa como no dia anterior chegamos a Sevilha e foi com essa certeza que deixamos Sevilha para trás e com muitos em silencio a dizerem..."até para o ano"
19h30 de Domingo chegamos ao ponto de onde havíamos partido e uma certeza ficou, os Amigos Vale Silencio, para o ano voltam a Sevilha .

4 comentários:

joaquim adelino disse...

Parabéns a todos, é este o espírito e nem imaginam o quanto lamento ter de ficar em casa neste dia. revi-me na história apesar de não ter estado lá e retive muita coisa que vivi nas 3 edições anteriores em que lá estive. Se cumprirem os desejos de voltar para o ano não vejo razões algumas para que não os acompanhe, contem comigo. Abraço

Anônimo disse...

Nunca é demais dar os parabéns aos grandes maratonistas de Sevilha e aproveitar o ensejo e dar também os parabéns ao cronista pela linda crónica. Um abraço a todos.

Leonel Neves

Carla Belo disse...

MUITO BEM RESUMIDO FOI UMA EXPERIECIA ESPETACULAR E QUE SE DEUS ME DER SAUDE REPETIREI E COM UM CONVIVIO 5 ESTRELAS DESDE Á 1 ANO ATRÁS QUE METI NA CABEÇA LANÇARME NESTA AVENTURA JAMAIS ME ARREPENDI OBRIGADO A TODOS E QUE PARA O ANO TENHAMOS MAIS AVS JOAQUIM BELO

Anônimo disse...

Vivam a alegria do feito conseguido e com o pedido de pedirem aos companheiros que ainda não se aventuraram que o receio se torna fácil de ultrapassar.
Antonio da Silva