segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Meia Maratona Nazare

Meia Maratona Internacional da Nazaré

Reza a lenda que o topónimo Nazaré tem origem numa imagem da Virgem oriunda de Nazaré, na Palestina, trazida por um monge grego para o Mosteiro de Cauliniana, perto de Mérida, no século IV. Tendo sido escondida no século VIII, numa lapa, no sítio, por Frei Romano, que acompanhava, na fuga, o Rei D. Rodrigo, último rei visigodo da Península Ibérica, depois de ter sido derrotado pelos Mouros em Guadalete, onde permaneceu durante quatro séculos, a imagem foi descoberta por pastores que passaram a venerá-la.
Em 1182, D. Fuas Rouquinho, alcaide-mor do Castelo de Porto de Mós, durante uma caçada, perseguia um veado que se despenhou num precipício. Com medo de também cair pediu auxílio à Virgem, e logo o cavalo estancou, salvando-lhe a vida. Em acção de graças, mandou construir a Ermida da Memória.
Venerada desde então, a imagem teria dado origem ao nome do Lugar – sítio de Nossa Senhora de Nazaré.
Lenda à parte, a verdade histórica é que a Nazaré nasceu do recuo do mar e do assoreamento progressivo da praia durante o século XVII. A praia ficou conhecida e passou a ser frequentada como praia de banhos em meados do século XIX.
Nesta terra, terra de gente ligada ao mar e à faina da pesca, terra onde as mulheres usam sete saias umas por cima das outras, terra onde os ranchos folclóricos cantam e dançam, descalços, o vira e o corridinho, terra do bom peixe e da típica caldeirada à nazarena, é organizada a mais antiga prova de meia maratona do país. Talvez por ser uma prova mítica explique a grande quantidade de atletas, vindos dos três cantos do país, e do estrangeiro, que todos os anos faz questão de estar presente.
Os Amigos Vale Silêncio estiveram bem representados, quer qualitativa, quer quantitativamente.
Com um rol de atletas tão respeitável era espectável que a equipa obtivesse um excelente resultado, o que se veio a confirmar. Os mais lentos na corrida tiveram oportunidade de se desforrar ao almoço. Aqui ninguém se atrasou. Correram todos ao mesmo ritmo, sem lamentações, sem dores, sem preocupação de chegar atrasado à meta.
Damos as boas vindas a dois novos “AMIGOS”, António Coelho e Ricardo Pereira esperamos que fiquem na nossa companhia durante muito tempo.
Texto: Leonel Neves
Atletas presentes, classificação geral e tempo:
Rui – 14 – 1,15,33
Inocêncio – 20 – 1,16,44
Leonel – 297 – 1,32,46
Daniel – 435 – 1,37,10
Avelino – 509 – 1,39,17
Gomes – 836 – 1,49,32
Moga – 911 – 1,53,00
Adelino – 1005 – 1,57,55
Coelho – 1029 – 1,59,33
Fernando – 1063 – 2,02,35
Emílio – 1090 – 2,05,19
Tiago – (vencedor da volta a Nazaré)
Ricardo Pereira (volta a Nazaré)
Ricardo Nicolau(volta a Nazaré)

Trilhos Casaínhos
O João ficou perto de casa, correu os trilhos de casainhos que teve concorrentes de nível e venceu o seu escalão


7º -1º-João Vaz 1h02'55


7 comentários:

Vitor Veloso disse...

Parabéns a todos os atletas

joaquim adelino disse...

Excelente jornada de convívio entre a rapaziada amiga depois daquele "passeio à beira mar".
Gostei daquela dos últimos para o almoço, sinal de que não estive tanto tempo à espera que fosse servido, para alguma coisa também servem os últimos!!!haja justiça.
Parabéns ao Tiago que mesmo sem troféu???? passeou a sua classe.
Um abraço a todos e pensem grande.

Tiago Silva disse...

Mais uma vês marcámos a nossa presença com a nossa festa e com os nossos bons resultados...nem que seja à mesa :P
Parabéns a todos :)

Bons treinos

António disse...

Onde estava o fotografo após a prova? Do convivio nada consta. Gostei de ler o texto e de ver as fotos. Parabens a todos os participantes pelo esforço feito. Continuem no bom caminho e que Deus vos proteja.

jorge disse...

Mais um texto magnifico do Leonel e mais uma jornada que dignifica e muito o espírito que nos motiva.
A meia da Nazaré não precisa de adjectivos e os nossos momentos de convívio algum reparo.
A vida sem estes minúsculos momentos e uma enorme chatice.

jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
António disse...

jacvySe antes ou agora ofendi alguém, peço desculpa.
Como o futuro a ELE pertence, desejo ao grupo as maiores felecidades.
António da Silva